Zulmiro de Carvalho
Valbom, Portugal, 1940. Vive e trabalha em Gondomar, Portugal.

Formas simples, volumes sóbrios, construções rigorosas, superfícies lisas e cuidadas, constituem o vocabulário de Zulmiro de Carvalho, artista que, desde meados dos anos sessenta, faz escultura e desenho, práticas dirigidas por uma constante investigação das formas e da linguagem plástica. São sobretudo conhecidas as esculturas que realizou para espaços exteriores. 

A estadia em Londres, entre 1971 e 1973, onde frequentou uma pós-graduação na St. Martin’s School of Art, lugar de referência da escultura dessa década e onde leccionavam escultores como Philip King, Anthony Caro ou William Tucker, viria a consolidar determinados elementos de uma gramática minimalista que antes já eram preocupações no seu trabalho: o rigor conceptual, as formas simples e repetitivas, os sistemas geométricos e modulares, a recusa de pedestais, o ambiente perceptivo, o apreço pelos materiais industriais, o abandono da manualidade na execução. Inúmeros materiais vão surgindo ao longo da actividade do escultor dando forma às suas preocupações expressivas: primeiro o metal, depois a pedra (mármore e granito), a madeira, o ferro e o aço corten.

Exposições Individuais (selecção)
2018
Escultura 1968-2018, Auditório Municipal de Gondomar, Gondomar, Portugal.
2017
Esculturas, Quadrado Azul, Lisboa, Portugal.
2014
Memoriais, Galeria Quadrado Azul, Porto, Portugal.
2012
Esculturas e Desenhos 1980-2012, Museu Abade Pedrosa, Santo Tirso, Portugal.
Esculturas, Galeria Quadrado Azul, Lisboa, Portugal.
2009
Desenhos, Galeria Amiarte, Porto, Portugal.
Exposições Colectivas (selecção)
2013
Escultura abstrata nas décadas de 1960/1970, Museu Municipal Abade Pedrosa, Santo Tirso, Portugal.
Escultura abstrata nas décadas de 1960/1970, Galeria Municipal de Matosinhos, Matosinhos, Portugal.
2012
formas e forças, Galeria Quadrado Azul, Porto, Portugal.
Um texto, uma obra, Sociedade Nacional de Belas-Artes, Lisboa, Portugal.
Escultura no picadeiro, Antigo Picadeiro do Colégio dos Nobres, Lisboa, Portugal.
Esculturas em espaço público (selecção)
2012
Linha da terra e do rio, Parque de Escultura Contemporânea, Almourol, Vila Nova da Barquinha, Portugal.
2009
Crossing light, Mokpo, Coreia do Sul.
2006
Sol e o mar, Leça da Palmeira, Portugal.
Prémios
1995
1.º Prémio do Concurso de Escultura para o Centro de Informática da Universidade do Minho, Braga.
1993
1.º Prémio do Concurso para a Medalha Comemorativa dos 100 anos do Porto Leixões, Porto.
1986
Grande Prémio de Escultura, III Exposição de Artes Plásticas, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa.
1985
Prémio Especial de Escultura, 1.ª Exposição de Arte Contemporânea A. F. Oliveira, Porto, Portugal.
1984
Prémio Aquisição Lagos 84, Portugal.
1982
Grande Prémio de Escultura, III Bienal de Vila Nova de Cerveira, Portugal.
Prémio Aquisição, 1.ª Exposição Nacional de Desenho da Cooperativa Árvore.
1969
Menção Honrosa, Medalha de Prata na exposição do Cinquentenário da morte de Amadeo de Souza-Cardoso, Amarante, Portugal.
1967
2.º Prémio de Desenho e Gravura da Exposição das Artes Plásticas de Coimbra, Portugal.
Colecções
Assembleia Regional Legislativa dos Açores, Portugal.
Banco Comercial Português, Portugal.
Banco Português do Atlântico, Portugal.
British Museum, Londres, Reino Unido.
Caixa Geral de Depósitos, Portugal.
Câmara Municipal de Matosinhos, Portugal.
Companhia Portuguesa Radio Marconi, Lisboa, Portugal.
Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, Portugal.
Fundação de Serralves, Porto, Portugal.
Museu Amadeo de Souza-Cardoso, Amarante, Portugal.
Museu Internacional de Escultura de Santo Tirso, Portugal.
Esculturas (vista da instalação). Sem título, 2012. Aço corten. 90 x 125 x 250 cm (2 obras), 180 x 180 x 90 cm (1 obra), 125 x 125 x 250 cm (1 obra) 
Esculturas (vista da instalação). Sem título, 2012. Aço corten. 90 x 125 x 250 cm (2 obras), 180 x 180 x 90 cm (1 obra), 125 x 125 x 250 cm (1 obra) 
Esculturas (vista da instalação). Sem título, 2012. Aço corten. 90 x 125 x 250 cm (2 obras), 180 x 180 x 90 cm (1 obra), 125 x 125 x 250 cm (1 obra) 
Esculturas (vista da instalação). Sem título, 2012. Aço corten. 90 x 125 x 250 cm (2 obras), 180 x 180 x 90 cm (1 obra), 125 x 125 x 250 cm (1 obra) 
Esculturas (vista da instalação). Sem título, 2012. Aço corten. 90 x 125 x 250 cm (2 obras), 180 x 180 x 90 cm (1 obra), 125 x 125 x 250 cm (1 obra) 
Esculturas (vista da instalação). Sem título, 2012. Aço corten. 90 x 125 x 250 cm (2 obras), 180 x 180 x 90 cm (1 obra), 125 x 125 x 250 cm (1 obra) 
Sem título, 2012. Aço Corten. 125 x 125 x 180 cm (cada obra). Créditos da imagem: Zulmiro de Carvalho 
Sem título, 2012. Aço corten. 250 x 62,5 x 92,5 cm (cada obra). Créditos da imagem: Zulmiro de Carvalho 
Sem título, 2012. Aço corten. 250 x 62,5 x 92,5 cm (cada obra). Créditos da imagem: Zulmiro de Carvalho 
Horizonte, 2004. Aço oxidado. Tubo de 200 mm de diâmetro e 9,10 m de comprimento 
Novo Horizonte, (Busan, Coreia do Sul), 2003. Aço corten e aço inox. 430 x 600 x 300 cm 
Onda de Abril, (Trafaria, Almada), 2001. Aço corten. 550 x 1000 x 1000 cm 
Arco do Oriente, (Macau), 1996. Aço corten. 2100 x 3400 x 880 cm 
Escultura, (Antuã, Lisboa / Porto), 1995. Aço corten. 350 x 350 x 100 cm 
Pórtico do Monte Crasto, (Gondomar), 1994. Aço corten. 1470 x 700 x 700 cm 
Escultura, (Prelada, Porto), 1993. Aço corten. 1400 x 700 x 700 cm 
Monumento Comemorativo dos 150 anos da Inauguração, (Cemitério Prado do Repouso, Porto), 1990. Granito. 700 x 1400 x 160 cm 
Escultura, (Caldas da Rainha), 1986. Granito. 250 x 7000 x 30 cm 
Escultura, (Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa), 1986. Aço e ardósia. 260 x 190 x 140 cm 
Sistema H, 1973. Aço pintado. 50 x 400 x 400 cm